Negada liminar em habeas corpus que pretende garantir regime aberto para Gil Rugai

A presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministra Maria Thereza de Assis Moura, negou pedido de liminar em habeas corpus impetrado em favor de Gil Grego Rugai, condenado pela morte do pai e da madrasta, em 2004. A defesa de Rugai pede que seja determinada ao juiz da execução penal a retificação do cálculo da liquidação da pena, o que lhe permitiria progredir do regime semiaberto para o aberto.

No habeas corpus, a defesa sustenta que o prazo para progressão ao regime aberto deve ter como data-base o dia em que o preso atingiu os requisitos legais necessários (lapso temporal e bom comportamento atestado). Segundo a defesa, ele já teria alcançado há dois anos o tempo para fazer jus ao regime aberto, estando, pois, ilegalmente no semiaberto.

No caso de Rugai, a despeito do reconhecimento do bom comportamento, o juízo da execução tomou como base para a progressão ao regime aberto a data de preenchimento do último requisito pendente – o exame criminológico, realizado apenas em 8 de outubro de 2021.

Em sua decisão, Maria Thereza de Assis Moura destacou que o entendimento do acórdão do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP), ao negar idêntico habeas corpus, não é teratológico, "na medida em que bem ressaltou que o pedido de retificação do cálculo de penas para fins de progressão demanda exame aprofundado dos requisitos".

Além disso, para a magistrada, o pedido de liminar endereçado ao STJ se confunde com o mérito do habeas corpus, cabendo ao colegiado competente – no caso, a Quinta Turma – o exame da tese levantada pela defesa.

Gil Rugai foi condenado a 33 anos e nove meses de prisão, em regime inicial fechado, pelo assassinato do pai, Luiz Carlos Rugai, e da madrasta, Alessandra Troitino, em 2004, dentro da residência do casal em Perdizes, na zona Oeste de São Paulo.

vti_charset:SR|utf-8
CampoResumo2:SW|
TaxCatchAll:SW|
vti_folderitemcount:IR|0
CampoExibirNaHome:BW|false
DisplayTemplateJSTemplateHidden:IW|0
TaxKeyword:SW|
display_urn\:schemas-microsoft-com\:office\:office#PublishingContact:SW|Gutemberg de Souza
PublishingContactEmail:SW|
vti_timelastwnssent:TR|07 Jan 2023 00:00:43 -0000
CampoProcessosRelacionados2:SW|HC 795601
CampoTituloChamada:SW|
vti_iplabelpromotionversion:IW|0
PublishingContact:IW|35
vti_previewinvalidtime:TX|06 Jan 2023 23:55:11 -0000
CampoCategoria2:IW|2
vti_writevalidationtoken:SW|H38vvpjBYj5GK9Q0HoiTaDCVSOc=
ContentTypeId:SW|0x010100C568DB52D9D0A14D9B2FDCC96666E9F2007948130EC3DB064584E219954237AF390028C222943FF17147A8DFF100E78AD63E009AE7A42EF36FBD45885808727835AC84
CampoMinistros:SW|2;#Maria Thereza de Assis Moura
PublishingIsFurlPage:IW|0
vti_decryptskipreason:IW|6
CampoCreditoImg:SW|
CampoImagemMiniatura2:SW|
vti_sprocsschemaversion:SR|16.0.797.0
PublishingContactName:SW|
PublishingPageLayout:SW|https://stjjus.sharepoint.com/sites/portalp/_catalogs/masterpage/LayoutConteudoPadraoPortalSTJ.aspx, Layout Conteúdo Padrão Portal STJ

Fonte: http://www.stj.jus.br/sites/portalp/Paginas/Comunicacao/Noticias/2023/07012023-Negada-liminar-em-habeas-corpus-que-pretende-garantir-regime-aberto-para-Gil-Rugai.aspx

Sobre o Autor

Sandro Rizzato

Sócio Fundador do escritório Pagotto, Rizzato & Lyra Sociedade de Advogados

Isso vai fechar em 0 segundos

Enviar Mensagem
Contato
Bem-vindo ao WhatsApp do escritório Pagotto, Rizzato e Lyra Sociedade de Advogados!

Por favor, aguarde um momento enquanto redirecionamos sua mensagem para um de nossos advogados especializados.

Se preferir, também pode nos contatar pelo telefone (27) 3235-8268.